Universidade federal de mato grosso caderno de resumos



Yüklə 2.68 Mb.
səhifə123/201
tarix21.08.2017
ölçüsü2.68 Mb.
1   ...   119   120   121   122   123   124   125   126   ...   201

MARIANA DE ASSUNÇÃO RODRIGUES


Resumo: A presente pesquisa foi realizada na condição de bolsista PIBIC, vinculada ao NPH/ICHS no Grupo de Pesquisa História, Terra e Trabalho, tendo como objetivo o estudo acerca da coexistência de dois projetos diferentes de ocupação na região Noroeste de Mato Grosso a partir da década de 1970, a colonização e o garimpo. Com este intuito identificamos os principais pontos de extração mineral da região de Juína, o nosso recorte espacial. O município de Juína pode ser considerado um exemplo da coexistência desses projetos de ocupação, cujo resultado foi um crescimento e desenvolvimento relevante em comparação com outros municípios da região. A análise das interferências resultantes da presença dos grupos garimpeiros sobre os demais grupos sociais nesta localidade é relevante. Por ser um distrito diamantífero importante para o estado, pertencente à Província Rio Negro-Juruena mais especificamente no Domínio Roosevelt-Aripuanã, fazendo parte da Folha SC.21-Juruena, a exploração mineral de Juína começou relativamente no mesmo período em que a CODEMAT (Companhia de Desenvolvimento de Mato Grosso) e a SUDECO (Superintendência para o Desenvolvimento do Centro-Oeste) iniciaram projetos de construção de malha viária que possibilitariam um melhor acesso para a região do então município de Aripuanã. Com a abertura de estradas, outro projeto também foi proposto, o da colonização da região por meio do “Programa Estadual de Colonização.” Ao longo deste período de ocupação, pode-se dizer que a atividade extrativista mineral influenciou o andamento do projeto de colonização do núcleo de Juína, que crescia rapidamente ao longo da década de 1980. O garimpeiro e seu trabalho representavam neste período uma parte importante para a economia local. Através do resultado do seu trabalho a economia tanto das zonas de garimpo, quanto do município como um todo, conseguia se desenvolver, fazendo com que a região crescesse. Para encontrar o diamante o garimpeiro possuía uma técnica própria, mesmo que bastante artesanal. Mesmo com a imagem um pouco obscura que o garimpeiro possuía, por conta de sua forma de trabalho e suas relações sociais, no ambiente em que a investigação percorre, notamos que em alguns momentos o caráter “marginal” e “fora-da-lei” que muitos garimpeiros possuíam fundia-se com a imagem do indivíduo que, a priori, chegou à região com o objetivo de extrair madeira amazônica para abrir território para a produção agrícola, os quais, muitas vezes se viram também influenciados à procurar a “pedra” ou o “abacaxi” (como os garimpeiros denominavam o diamante e o kimberlito). Para o estudo acerca dos aspectos históricos utilizamos a História Social como aporte teórico, levantamento bibliográfico e de fontes documentais do acervo do Núcleo de Pesquisa em História, além disso, utilizamos também material proveniente de jornais e revistas e fazemos uso de material bibliográfico referente aos aspectos geológicos e geomorfológicos do recorte espacial.

Palavras-chave: Colonização, garimpo, Juína

Título: IDADE E CRESCIMENTO DE APISTOGRAMMA BORELLII (REGAN, 1906) (PERCIFORMES:CICHLIDAE) EM LAGOAS DA RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL SESC PANTANAL - MT

Orientador: LÚCIA APARECIDA DE FÁTIMA MATEUS

Autor(es):

ANGÉLICA FRANCISCA MENDES MAMEDE


Resumo: O crescimento, aspecto quantitativo do desenvolvimento pode ser definido como a mudança da massa corporal ao longo do tempo, sendo que o tamanho que a espécie atinge é determinado em parte geneticamente e em parte pelas condições ambientais. O crescimento e a reprodução são processos complementares, de forma que a reprodução contribuí para a manutenção da população compensando a perda por mortalidade, enquanto que o crescimento controla as taxas de mortalidade e de reprodução. Assim, o estudo do crescimento de uma espécie é necessário para se conhecer a dinâmica populacional, além de ser essencial para o manejo da espécie. O presente estudo tem por objetivo descrever o crescimento do Apistogramma borellii nas lagoas da Reserva Particular de Patrimônio Natural SESC Pantanal. Foram realizadas 6 coletas em 17 lagoas da planície de inundação do rio Cuiabá, localizadas na Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN SESC Pantanal) e seu entorno, situada no Pantanal de Poconé, nos meses de junho e dezembro de 2005, julho e dezembro de 2006 e junho e novembro de 2007. Foram estimados a relação peso/comprimento, os parâmetros de crescimento, reprodução e mortalidade, dos 887 indivíduos de A. borellii amostrados. O comprimento padrão da população variou entre 1,01 e 4,58 cm com média de 2,26 cm (Desvio padrão: 0,62 cm). O peso total apresentou amplitude de 0,01 a 1,56 g e média 0,24 g (Desvio padrão: 0,19 g). A população apresentou crescimento alométrico negativo, a relação entre o peso total e o comprimento padrão dos indivíduos pode ser descrita pela equação Wt=0,023*Ls2,615 (p< 0,01), com intervalo de confiança para “b” igual a 2,53 – 2,696. Os parâmetros de crescimento foram estimados em k=0,53 ano-1 e L= 5,98 cm. O comprimento médio de primeira maturação (Lm) foi estimado em 4,16 cm, sendo que a idade média da sua ocorrência é em torno de 1,76 anos. O A. borellii apresentou taxa de mortalidade natural estimada em 1,75 ano-1. Os parâmetros de crescimento e mortalidade estimados para Apistogramma borellii indicam que possuem crescimento relativamente rápido, ciclo de vida longo, taxa de mortalidade natural elevada e a maturação da espécie ocorre relativamente cedo.

Palavras-chave: crescimento, comprimento de primeira maturação, mortalidade, Apistogramma borellii, Pantanal

Título: IDENTIFICAÇÃO DE VITEXINA E ISOVITEXINA EM EXTRATO DE ECHINODORUS MACROPHYLLUS POR CLAE-DAD.

Orientador: PAULO TEIXEIRA DE SOUSA JÚNIOR

Autor(es):

KAROLINE DA COSTA LIMA


Resumo: Echinodorus macrophyllus, pertencente à família Alismataceae e encontra-se distribuída em áreas alagadas do Brasil, sendo conhecida popularmente como chapéu de couro. Na medicina popular, suas folhas são administradas no combate de afecções cutâneas, como anti-inflamatórias, entre outras. Estudos químico-farmacológicos do extrato etanólico das folhas de E. macrophyllus, apontaram atividade anti-inflamatória (30 mg.kg-1) e o isolamento de dois flavonoides isoméricos, vitexina e isovitexina, que possivelmente são os responsáveis pela atividade constatada. Assim este trabalho objetiva desenvolver uma metodologia em CLAE-DAD para a análise de vitexina e isovitexina em extrato de folhas de E. macrophyllus, tendo em vista que os métodos descritos na literatura não apresentam boa resolução para a separação dos mesmos. O material botânico foi coletado em Poconé-MT e submetido a extração com EtOH-H2O (7:3), por meio de sonicação, obtendo-se o extrato bruto hidroetanólico (EBHEEm). As identificações dos flavonóides foram realizadas dissolvendo-se 10 mg de extrato em 1,5 mL de acetonitrila (ACN) e 0,05% de ácido trifluoracético (ATFA) na proporção de 1:1. Para a otimização do método foi utilizado cromatógrafo líquido com detector de absorbância UV-DAD e coluna analítica de C18 (150 x 4.6 mm D.I., 5 µm; HiChrom). Como padrão interno (PI), utilizou-se a catequina, e como padrões de referência, vitexina e isovitexina, que foram adquiridos da Sigma-Aldrich®. Os parâmetros do CLAE-DAD avaliados foram: composição da fase móvel com diferentes proporções de solventes orgânicos (ACN e MeOH) e soluções aquosas acidificadas com ATFA, fluxo e comprimento de onda da detecção. A melhor condição obtida foi: i) gradiente de eluição com MeOH(A):ACN(B):ATFA 0,05%(C) na proporção 75 a 65% de C e 15 a 20% de A de 0 a 20 min, 65 a 55% de C e 20 a 25 % de A de 20 a 25 min, 55 a 75% de C e 25 a 15% de A de 25 a 30 min, fluxo de 1 mL.min-1 e detecção em 270 nm, na qual foi possível a separação dos flavonoides com diferença de tempo de retenção de 0,7 minutos e uma resolução de 7,3. Não se observou a interferência de co-extraídos no tempo de retenção da vitexina e isovitexina Foram obtidos, na condição avaliada, limites de detecção de 0,037 µg.mL-¹ e 0,045 µg.mL-¹ para vitexina e isovitexina, respectivamente. Os parâmetros utilizados no CLAE-DAD mostraram-se eficientes para a identificação de vitexina e isovitexina em extrato bruto das folhas de E. macrophyllus, obtendo-se uma a separação rápida e eficiente, com alta resolução entre os picos dos isômeros C-glicosilados e boa seletividade.

Palavras-chave: Vitexina, Isovitexina, CLAE-DAD.

Título: IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE FLAVONOIDES POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE), QUANTIFICAÇÃO DO TEOR DE FENÓIS E FLAVONOIDES TOTAIS E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE PELA TÉCNICA DO 2,2-DIFENIL-1-PICRIL-HIDRAZIL (DPPH) EM CECROPIA DISTACHYA (EMBAÚBA)

Orientador: ADILSON PAULO SINHORIN



Autor(es):
1   ...   119   120   121   122   123   124   125   126   ...   201


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azkurs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə