Universidade federal de mato grosso caderno de resumos



Yüklə 2.68 Mb.
səhifə2/201
tarix21.08.2017
ölçüsü2.68 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   201

Título: "PREGANDO A POBREZA, JUSTIFICANDO A RIQUEZA? : A ESPIRITUALIDADE FRANCISCANA E A "ECONOMIA MORAL" NO SÉCULO XIII".


Orientador: LEANDRO DUARTE RUST

Autor(es):


DOUGLAS DE FREITAS ALMEIDA MARTINS




Resumo: A historiografia tradicionalmente concebe a Ordem dos Frades Menores e seu líder como personagens singulares dentro da História do Cristianismo, excepcionais face às formas dominantes de relações éticas e de sociabilidade perante a riqueza e a pobreza.Sem desconsiderar o caráter pertinente desta afirmação historiográfica, procurei revisar alguns fundamentos tidos até o presente momento como certezas intocáveis. Minha investigação se concentrou em aspectos do comportamento social, como a pobreza, a riqueza e o poder, relatados pelos franciscanos dentro do espaço urbano da península itálica na primeira metade do século XIII. Conhecido por sua adesão heróica à pobreza, o movimento perpassou cidades como Assis, Perugia, Orvieto e Arrezo. Tais foram os lugares de recursos úteis para existência dos frades, pois as exigências de mendicância que tanto pregavam apenas podiam ser cumpridas dentro de uma economia dinâmica, de abrangente circulação monetária, da qual se beneficiavam na forma de esmolas e doações. As fontes documentais que me guiaram pertencem ao gênero hagiográfico produzido por Frei Tomás de Celano (1200-1270?), biógrafo de São Francisco. Em especial a Segunda vita, na qual percebi a formulação de um referencial ético pouco valorizado pelo olhar dos historiadores, na forma de uma “economia moral”, conceito proposto pelo historiador Edward Palmer Thompson e que estimula uma ampliação e descentralização dos aspectos relacionados organização material da Ordem, abrangendo novos caminhos para compreender o seu processo de institucionalização. Os frades pregavam o apego à pobreza, mas como “filhos do seu tempo”, pertenciam a uma época aberta as possibilidades de acumulação material. Pobreza e riqueza não eram excludentes. Podiam sim coexistir num mesmo plano. Na história da Ordem, elas se alternavam em dois modelos de comportamento: numa rejeição sistemática a riqueza em sua forma mais explicita (dinheiro, sobretudo) e numa certa tolerância a ela, desde que sacralizada e utilizada para fins moralmente aceitos. A hipótese construída tem um forte significado: ela contraria maciçamente a historiografia vigente e apresenta uma conclusão sobre o problema de se relacionar com a riqueza e pregar a pobreza: repudiar as formas mais explícitas de riqueza não quer dizer, necessariamente, repudiar toda forma de riqueza. Desta forma, entendo que a institucionalização da Ordem não foi movida unicamente por pressões de instituições eclesiásticas anteriores a ela, como a Cúria Romana. Mas foi igualmente um caminho escolhido pelos frades para resolver problemas internos, através de uma ética adequada ao crescimento da Ordem. As questões sociais, sejam elas no passado ou no presente, devem ser pensadas a luz do contexto no qual estão inseridas. Devemos interpretar aspectos como a riqueza bem como as relações entre os diversos grupos da vida social dentro da historicidade das próprias experiências humanas. Este trabalho, portanto, apontou para uma renovação das abordagens acerca desta temática. É necessário repensar o lugar da Ordem dos Frades Menores na estrutura social medieval. Os frades não eram alheios às relações de poder tecidas pelos diversos grupos. Eles faziam parte da dinâmica social.
Palavras-chave: Cidades; Hagiografias; Tomás de Celano

Título: “EXPECTATIVAS E REALIZAÇÕES DE ESTUDANTES NIPO-BRASILEIROS NO JAPÃO”

Orientador: MARINETE COVEZZI

Autor(es):


CARLA ALEXSANDRA DO CARMO RIBEIRO


Resumo: Desde meados da década de 1980, nipo-brasileiros têm migrado para o Japão em busca de trabalho. Impulsionados pelo desenvolvimento tecnológico, o crescimento econômico do Japão tornou-se atraente. Os contratos iniciais de trabalho eram temporários, no setor manufatureiro. Desde aquela década mais de 300.000 brasileiros se deslocaram para o Japão. Da migração para trabalho temporário, muitos acabaram se fixando com a família no arquipélago. Para compreender como ocorreu a inserção destes migrantes na sociedade japonesa, a longa permanência, as expectativas iniciais e a realização dessas expectativas, foi realizado um estudo com uma amostra desses migrantes, composta por alunos do curso de Pedagogia à distância, realizado em convênio entre a UFMT e a Universidade de Tokai-Japão. A pesquisa foi realizada por meio de aplicação de um questionário eletrônico (e-survey) com base em métodos de surveys, com os 246 alunos do curso. A pesquisa caracterizou-se quanto ao conteúdo como sendo uma pesquisa aplicada, pois se utiliza de teorias para estudos empíricos sobre a realidade observada e de pesquisa qualitativo-quantitativa. Os dados primários foram obtidos através de um questionário com perguntas abertas e fechadas que foram coletadas em um só momento (corte-transversal). A tabulação e processamento da pesquisa foram feitos utilizando o programa estatístico R (2010). As questões tiveram as respostas quantificadas e analisadas com o objetivo de compreender o perfil socioeconômico dos estudantes, a trajetória profissional e educacional, e as expectativas quanto à migração e o que se realizou dessas expectativas. Os resultados da pesquisa apontaram que 40% dos entrevistados pretendiam ganhar dinheiro, fazer uma poupança e comprar bens no Brasil, porém somente para 28,46% essas expectativas foram alcançadas. Para 17,14% dos entrevistados, as expectativas estavam relacionadas com a possibilidade de voltarem a estudar, o que foi alcançada com o curso de Pedagogia. Ajudar a família ou obter melhores condições de vida também foram citados. Para avaliar a imagem que estes alunos de Pedagogia têm do “ser professor”, a pesquisa levantou as características representativas do imaginário destes alunos em relação ao docente que pretendem ser. A necessidade dos estudantes de se adequarem às novas condições econômicas na sociedade receptora, bem como a necessidade de integrarem os filhos no sistema educacional japonês contribuiu para que muitos estudantes ingressassem na área da educação como profissionais educadores, assistentes e tradutores. As expectativas que os alunos tinham ao emigrar foram concretizadas ou ainda estão se concretizando. Porém, a partir do curso de Pedagogia, novas expectativas foram criadas, como a possibilidade de virem a contribuir com a sociedade de ambos os países, educando e ajudando as crianças no caminho do saber. Para a maioria dos alunos, o curso foi uma oportunidade única que lhes proverá o diploma, legalizando a profissão e trazendo benefícios econômicos, sociais e culturais.

Palavras-chave: Japão; imigração; formação de professores.

Título: A AGRICULTURA FAMILIAR EM ASSENTAMENTOS RURAIS: O CASO DO ASSENTAMENTO FAZENDA ESPERANÇA RONDONÓPOLIS - MT

Orientador: JOSÉ ADOLFO IRIAM STURZA

Autor(es):

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   201


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azkurs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə