Universidade federal de mato grosso caderno de resumos



Yüklə 2.68 Mb.
səhifə25/201
tarix21.08.2017
ölçüsü2.68 Mb.
1   ...   21   22   23   24   25   26   27   28   ...   201

DAYANE APARECIDA DO NASCIMENTO


Resumo: Como parte integrante da pesquisa “A infância contemporânea no diálogo entre gerações”, este trabalho se propõe a discutir as experiências, os valores e os saberes que as crianças têm produzido e revelado como próprios de seu tempo de vida na perspectiva dos professores. Tal propósito justifica-se por duas razões: a primeira diz respeito à consideração da infância como uma categoria geracional de caráter relacional, dada a impossibilidade de compreendê-la fora da relação alteritária com a idade adulta; a segunda está relacionada ao fato de trazer à tona as tensões, cada vez mais visíveis nos encontros entre crianças e adultos vividos nas mais diversas esferas da vida social, presentes entre as representações e imagens da infância produzidas historicamente e encarnadas em valores que atravessam os discursos e as práticas dos professores e o que eles percebem e identificam nos modos de ser e agir das crianças hoje como questões que singularizam a infância no contemporâneo. Como principal referencial teórico, destaca-se a sociologia da infância que se propõe a interrogar a sociedade a partir da infância, entendida como categoria geracional em oposição à ideia de estado transitório para a vida adulta. A pesquisa assume um caráter de intervenção por instaurar espaços de discussão entre crianças e professoras sobre diversas experiências de infância. Nessa perspectiva metodológica, os sujeitos envolvidos na pesquisa não são apenas informantes, posto que constroem conhecimentos e refletem sobre suas próprias concepções, valores e experiências. O contexto da pesquisa é o Laboratório de Ludicidade, conhecido como Brinquedoteca, da Universidade Federal de Mato Grosso, em Rondonópolis, que atende, desde 2008, escolas de Educação Infantil da rede pública municipal. Sendo assim, desta pesquisa participam três turmas do segundo agrupamento da Educação Infantil, com crianças na faixa etária de 5 a 6 anos, bem como suas respectivas professoras. Como uma das estratégias metodológicas, temos a realização de grupos de discussão com as crianças e as professoras, organizados sob a forma de oficinas, como forma de suscitar diálogos voltados para questões relacionadas a diversas experiências de infância. Outro importante recurso metodológico é a realização de entrevistas semiestruturadas com as professoras sobre as suas experiências de infância e os modos como significam os modos de ser e agir das crianças com as quais atuam. Observamos nos discursos das professoras uma forte tendência em valorar as experiências da infância hoje a partir do que viveram há décadas atrás, trazendo à tona uma infância naturalizada, como se fosse o retrato da essência desse tempo de vida, a qual já não mais encontram quando comparada ao que as crianças hoje manifestam em seus saberes, valores e experiências.

Palavras-chave: Infância. Contemporaneidade. Professores.

Título: AS EXPERIÊNCIAS DA INFÂNCIA NO DEBATE INTERGERACIONAL

Orientador: RAQUEL GONÇALVES SALGADO

Autor(es):

RAYSSA KARLA DOURADO PORTO


Resumo: Este trabalho é um dos subprojetos da pesquisa “A infância contemporânea no diálogo entre gerações”, que tem como objetivo analisar as tensões entre os sentidos que as crianças atribuem às experiências que marcam as suas infâncias e aqueles que definem os modos como as professoras também significam essas experiências, atravessadas por valores construídos a partir da infância que viveram. Assim, a pesquisa suscita um debate entre crianças e professoras sobre as experiências contemporâneas da infância e as de épocas passadas. Participam desta professoras e crianças, com idades entre 5 e 6 anos, de três turmas do segundo agrupamento da Educação Infantil, de duas escolas da rede pública municipal de Rondonópolis, Mato Grosso. Seu locus é o Laboratório Especial de Ludicidade (Brinquedoteca) do Campus de Rondonópolis da Universidade Federal de Mato Grosso. A sociologia da infância é o principal escopo teórico, que permite compreender a infância como categoria geracional socialmente constituída e as crianças como atores sociais, capazes de interpretar e transformar a cultura com a qual interagem. Trata-se de uma pesquisa com caráter de intervenção, que tem como estratégias metodológicas a observação participante das interações estabelecidas entre as crianças e as professoras no contexto da Brinquedoteca, bem como a realização de grupos de discussão com esses sujeitos, que se efetivam sob a forma de oficinas voltadas para as seguintes questões: o que significa ser criança; o que caracteriza a infância; como é/foi a sua vida de criança; o que uma criança pode ou não saber/fazer; quais as diferenças entre a criança do presente e a criança de épocas passadas. Observa-se que a tecnologia emerge como o diferencial nos modos de brincar, distinguindo-se, assim, a infância das professoras da infância vivida pelas crianças. Enquanto, para as crianças, a tecnologia configura-se como uma nova maneira de brincar e aprender, as professoras a veem como um fator que, por um lado, cerceia a criatividade das crianças, já que estas não mais confeccionam seus próprios brinquedos, como antes elas faziam, e, por outro, potencializa conhecimentos que outrora não pertenciam à infância. Outro aspecto a ser destacado é a participação, cada vez mais evidente, das crianças em situações sociais, consideradas pelas professoras como não próprias ao seu tempo de vida, que suscitam a constituição de valores e experiências que têm conferido outros contornos à infância, o que provoca, entre elas, perplexidade e saudosismo diante da quebra de uma imagem tradicional desse tempo de vida.

Palavras-chave: Infância. Relações Intergeracionais.

Título: AS NOTÍCIAS SOBRE SAÚDE NAS REVISTAS ÚNICA, ÓTIMA E RDM.

Orientador: BENEDITO DIELCIO MOREIRA

Autor(es):

PRISCILLA DE ALMEIDA CARDOSO


Resumo: Partindo de uma iniciativa conjunta do Núcleo de Desenvolvimento em Saúde (NDS), do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) e do NECOIJ, Núcleo de Estudos da Comunicação, Infância e Juventude, do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Mato Grosso foi criado o projeto “Comunicação Social e Educação Popular dos Jovens: um desafio para o SUS”. Trata-se de um estudo que busca compreender a relação dos jovens com as mídias, em especial com conteúdos voltados para a saúde preventiva e curativa. O projeto acontece em Cuiabá, no bairro Canjica, e no município de Nossa Senhora do Livramento, cidade distante 40 quilômetros da capital.

O projeto tem como intuito compreender dois diferentes momentos da comunicação: as abordagens de concepção produzidas no campo do emissor e a percepção dos jovens, no campo da recepção. Entre os temas discutidos com profissionais de saúde e jovens estão o conceito de saúde, o modo como este tema é tratado pelos profissionais de comunicação; e o modo como os jovens de 12 a 18 anos apreendem este tipo de informação.

Com a intenção de evidenciar o espaço que a mídia impressa mato-grossense dá ao tema, realizo como dados secundários para a pesquisa acima relatada um estudo sobre as reportagens e anúncios relacionados com o bem estar e a saúde pública, veiculados nas três principais revistas de Mato Grosso (Ótima, Única e RDM), no ano de 2011.

Foram analisadas ao todo 33 (trinta e três) edições, havendo divisão entre capa e conteúdo. A revista Ótima, durante o ano de 2011, produziu apenas nove edições. A revista não circulou nos meses de Janeiro, Fevereiro e Setembro.

Enquanto matéria principal de capa, o tema saúde não foi muito abordado. A revista que mais veiculou assuntos relacionados ao tema foi a revista Única, com 25% de suas capas contendo manchetes sobre saúde. Já a revista RDM, foi a que mais veiculou o tema em suas chamadas de capa, trazendo o tema em 50% de suas edições.

A revista Ótima trouxe a saúde em pauta na capa, tanto como manchete principal quanto em formato de chamada, apenas na edição de n° 53, no mês de Abril.

Os temas tratados foram bastante variados, porém pode-se observar que há uma intensa veiculação de campanhas publicitárias, reportagens e entrevistas sobre a dengue, a importância da prática de exercícios físicos e da alimentação balanceada, os problemas ocasionados pelo descaso com o lixo, o câncer, o sedentarismo, a prevenção de doenças, o sono, as drogas, a saúde mental, o bem-estar e a qualidade de vida.

Palavras-chave: comunicação; saúde; mídia impressa

Título: AS PRÁTICAS SOCIAIS E RELIGIOSAS NO TURISMO URBANO DE RONDONÓPOLIS-MT

Orientador: ANTONIA MARILIA MEDEIROS NARDES

Autor(es):

1   ...   21   22   23   24   25   26   27   28   ...   201


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azkurs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə