Universidade federal de mato grosso caderno de resumos



Yüklə 2.68 Mb.
səhifə56/201
tarix21.08.2017
ölçüsü2.68 Mb.
1   ...   52   53   54   55   56   57   58   59   ...   201

BRUNA ARRUDA SOARES PARPINELLI


Resumo: Microrganismos endofíticos colonizam o interior de tecidos de plantas, sem resultar efeito patogênico no hospedeiro ou alterações morfológicas visíveis. Nesta relação simbiótica, o hospedeiro fornece fotoassimilador e ambiente com reduzida competição e o endofítico pode promover o crescimento vegetal e proteger o hospedeiro contra estresses abióticos e bióticos. Tais características mostram a importância dos microrganismos endofíticos, na promoção de crescimento. O presente trabalho teve como objetivos caracterizar os microrganismos endofíticos, avaliar a capacidade dos isolados fúngicos na solubilização de fósforo, determinar o potencial de infecção in vitro e avaliar a promoção de crescimento em plantas de V.divergens ex vitro inoculadas com fungos endofíticos. As bactérias foram caracterizadas quanto à coloração de Gram. Para a caracterização dos fungos, utilizou a técnica de microcultivo e identificados de acordo com chaves taxonômicas. Para o teste de solubilização de fósforo, os isolados fúngicos foram inoculados no meio BDA durante 15 dias, discos de micélio foram transferidos para o meio GELP (glicose, extrato de levedura e peptona) e após 4 dias foi observado o halo de solubilização para os fungos solubizadores de fósforo. Quanto a capacidade de infecção, os fungos foram ativados em BDA durante 10 dias e as bactérias foram ativadas em caldo nutriente, durante 24h e inoculados em raízes de V.divergens e mantidos em BOD durante 30 dias. Após as raízes foram diafanizadas e coradas com azul de Tripano para observação das estruturas fúngicas. Para o teste de promoção de crescimento os fungos foram ativados e inoculados em raízes de V.divergens, após 150 dias, as plantas foram pesadas para obter o peso úmido e medidas de clorofila. A caracterização dos microrganismos da folha, no período úmido 3 bactérias todas gram positivas e 86 fungos, estes não apresentaram nenhuma estrutura reprodutiva. As bactérias caracterizadas da raiz, 70% gram positivas e 30% gram negativas e a forma que predominou foi bacilo com 75%. A identificação dos fungos da raiz, compreendem 126 destes, 70 Mycelia sterilia, 31 Eupenicillium, 12 Penicillium, 7 Chaetomium, 2 Trichoderma 31 Eupenicillium, 2 Gongronela, 1 Aspergilus. Foram testados 71 fungos na solubilização de fósforo, destes 14 apresentaram o halo de solubilização. Dos 29 fungos testados, apenas 9 infectaram e as 3 bactérias testadas, apenas 90W promoveu alongamento celular. Os fungos 40W, 43W, 55W, 88U inoculados em raízes de V.divergens promoveram crescimento da parte radicular e 40W, 41W, 88U destacaram no aumento na taxa de clorofila. Os microrganismos de V.divergens possuem potencial de infecção, na promoção de crescimento vegetal e no aumento de clorofila. Ainda são necessários estudos de identificação e análises de diversidade genética.

Palavras-chave: endofíticos , colonização radicular, crescimento vegetal.

Título: CARACTERÍSTICAS DA MATRIZ EXTRACELULAR DO TECIDO CARDÍACO DE RATOS WISTAR TREINADOS E SOB EFEITO DA ADMINISTRAÇÃO DE DIGOXINA E DE VERAPAMIL

Orientador: DANILO HENRIQUE AGUIAR

Autor(es):

KARYN GISELE DE SOUZA


MAYARA PETRI PIRES

ISABELA SIGNOR
Resumo: Atualmente, a prescrição de atividade física regular tem sido incorporada ao tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca. Aliado a esse tratamento e dependendo das condições de cada paciente utilizam-se algumas drogas, tais como, bloqueadores de cálcio, como o verapamil e digitálicos, como a digoxina, que agem nos canais intracelulares de cálcio, e consequentemente na função cardíaca. Nesse estudo avaliou-se a influência do verapamil e da digoxina associados ao treinamento físico intervalado (TFI) sobre as características da matriz extracelular ao redor dos cardiomiócitos de ratos normotensos. Foram utilizados ratos Wistar machos, com 60 dias divididos nos grupos: controle (GC), treinado (GT), verapamil (VERA), exercício + verapamil (TVERA), digoxina (DIGO), exercício + digoxina (TDIGO). As drogas foram administradas intraperitonealmente uma vez ao dia nas doses de 30 µg/kg de digoxina ou 5,0 mg/kg de verapamil. O TFI foi realizado 1 h/dia, 5 dias/semana durante 60 dias. O tecido cardíaco foi processado em historresina e corado pela técnica de PAS (Ácido Periódico com Reativo de Schiff) e pela técnica de Tricrômio de Masson. As lâminas histológicas foram utilizadas para a análise da morfologia celular e da matriz extracelular da região endocárdica do tecido, utilizando-se um programa de análise e processamento de imagens. As imagens mostraram que as células cardíacas, em secção transversal, apresentaram um contorno irregular e com várias formas. Foi possível observar células de vários tamanhos ao redor de uma discreta matriz extracelular de tecido conjuntivo frouxo espremido no estreito espaço entre essas células. Na matriz extracelular observou-se intensa capilarização com vasos sanguíneos pequenos e médios representados pelo endotélio e lúmen de artérias e veias. Em relação aos grupos experimentais GT, VERA, TVERA, DIGO e TDIGO, não se observou nenhuma anormalidade na matriz extracelular quando comparados ao grupo GC. Concluiu-se que o protocolo de treinamento físico e a administração das drogas digoxina e verapamil não alterou o padrão morfológico normal da matriz extracelular do tecido cardíaco apesar de ter sido observada, nos mesmos animais, uma alteração no tamanho dos cardiomiócitos no estudo associado da morfometria celular. Resultados posteriores serão importantes para que se confirmem os achados do presente estudo.

Palavras-chave: Tecido cardíaco, digoxina, treinados

Título: CARACTERÍSTICAS DO CÍRCULO DE COOPERAÇÃO DA PESQUISA CIENTÍFICA NO CIRCUITO ESPACIAL DE PRODUÇÃO DO ALGODÃO NA MICRORREGIÃO DE RONDONÓPOLIS-MT

Orientador: SÉRGIO SEBASTIÃO NEGRI

Autor(es):

Resumo: A partir da década de 1970, a internalização do meio técnico-científico provocou uma revolução do processo produtivo no campo, processo respaldado pelo Estado, que por sua vez, criou uma estrutura capaz de sustentar os interesses dos agentes hegemônicos capitalistas. Estes agentes, utilizando-se do discurso inicial de acabar com a fome e a pobreza nos países de terceiro mundo, adentram o território, modificando completamente a produção agrícola, transformando o país num importante produtor de commodities. Destacam-se a soja, o milho, o café, a cana-de-açúcar e o algodão, sendo este último, o principal foco deste trabalho.

Nesse processo, o território foi sendo artificializado, com grande destaque para as áreas de cerrado, especificamente o cerrado mato-grossense, tornando este estado o maior produtor de algodão do país. Anterior a essa transformação, a produção de algodão em Mato Grosso era caracterizada como rudimentar e familiar, realizada apenas nas áreas de mata, as terras de cultura próximas aos rios. Realidade que se transforma, apoiada nos programas de incentivo e linhas de crédito voltados a produção de commodities, priorizando o mercado externo.

Além do crédito e incentivo fiscal, para a expansão da cultura do algodão no cerrado foi determinante o papel da ciência e tecnologia. De fato, a ciência se torna o principal insumo para territorialização do cultivo do algodão, com destaque para a biotecnologia que revolucionou o uso do solo nas áreas de chapada do cerrado mato-grossense.

Assim, com a expansão do meio técnico-científico foi possível, em poucas décadas, um novo uso do território e um novo uso do tempo no cerrado. Novas espécies adaptadas ao solo, ao clima e a topografia, recriaram a natureza, tornando possível uma produção de base mecanizada e quimificada. Produção em grande escala, totalmente capaz de atender aos interesses do mercado, legitimando os círculos de cooperação no circuito espacial de produção do algodão. O Estado por meio de criação de empresas, institutos e normas, torna-se o principal organizador do processo técnico-científico, especificamente o biológico. Porém, não está sozinho, pois são também as empresas privadas, através de interesses econômicos, que controlam em grande parte as pesquisas científicas de commodities, e não se faz diferente com o algodão. Nesse processo de internalização do meio tecnico-científico e constituição do círculo de cooperação na produção do algodão, a estrutura fundiária não é alterada. Assim, os maiores beneficiados são o médio e o grande empresário, marginalizando o pequeno produtor, não possuidor das modernas técnicas existentes no mercado. No entanto, estes grandes e médios empresários também desenvolvem uma relação de dependência, para com as empresas privadas e o próprio Estado, detentores do trabalho intelectual e científico sobre esta e outras commodities. Assim, fez-se necessário tratarmos do círculo de cooperação, particularmente da pesquisa científica, buscando estudar seu funcionamento e procurando conhecer a lógica de sua dinâmica no circuito espacial de produção do algodão na microrregião de Rondonópolis-MT.

Palavras-chave: Círculo de Cooperação, Circuito Espacial de Produção, algodão.

Título: CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DE PLANTAS DE MILHO INOCULADAS COM AZOSPIRILLUM SPP.

Orientador: SALOMÃO LIMA GUIMARÃES



Autor(es):
1   ...   52   53   54   55   56   57   58   59   ...   201


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azkurs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə