Universidade federal de mato grosso caderno de resumos



Yüklə 2.68 Mb.
səhifə93/201
tarix21.08.2017
ölçüsü2.68 Mb.
1   ...   89   90   91   92   93   94   95   96   ...   201

CINTHIA SIRLEY DA SILVA


Resumo: O objetivo desse estudo foi analisar a composição da dieta de Astyanax sp. amostrados nos principais córregos de Rondonópolis (MT), pertencentes a Bacia do Alto Paraguai. Foram coletados indivíduos de seis córregos, sendo eles Arareau, Lourencinho, Lajeadinho, Macaco, Escondidinho e Queixada que cortam as áreas rurais e urbana. As coletas ocorreram durante o período chuvoso (abril e maio de 2011). Utilizou-se redes de arrasto com malhas diversas e peneira por 15 minutos. Os indivíduos (n=260) foram devidamente armazenados, identificados, pesados (g), medidos (cm) e eviscerados para a análise do conteúdo estomacal. A dieta foi descrita por meio das porcentagens de ocorrência e volume, combinados ao índice alimentar (IAi). Os indivíduos apresentaram em média comprimento total de 55 mm, comprimento padrão de 43 mm e pesaram em média 3 g. As características da dieta consistiram numa composição alimentar que incluiu cerca de 10 itens, sendo que a matéria vegetal foi o item de maior consumo nos peixes analisados. Os Astyanax se alimentaram principalmente de matéria vegetal nos córregos Queixada (80,85%), Lourencinho (77,33%), Arareau (92,54%) e Macaco (75,43%); já nos córregos Lajeadinho (62,83%) e Escondidinho (69,39%) tiveram preferência por restos animais. Quando consideramos a dieta alimentar dos indivíduos em relação ao local de amostragem, evidenciou-se na área urbana houve ingestão de maior quantidade de matéria vegetal na maioria dos córregos, exceto Escondidinho e lajeadinho com maior quantidade de restos animais. Na área rural, os indivíduos do córrego Arareau, Escondidinho, Lourencinho e Lajeadinho ingeriram preferencialmente restos vegetais e no córrego Macaco houve dominância de restos animais. Os dados sugerem que, apesar da grande porcentagem de matéria vegetal (herbivoria), ocorreu uma tendência a onivoria, o que corrobora com a literatura que estuda a dieta dessa espécie de água doce.

Palavras-chave: Dieta de Astyanax

Título: DIETA DE AVES EM TRÊS PARCELAS DE VEGETAÇÃO MISTA DE DOMÍNIO DO CERRADO NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA AZUL

Orientador: MÁRCIA CRISTINA PASCOTTO

Autor(es):

HUGO JESUS DE BRITO


Resumo: Estudos sobre a dieta das aves são de grande importância no fornecimento e na compreensão de diversas informações relacionadas à vida desses animais, além de serem fundamentais para um melhor entendimento dos processos ecológicos nos quais elas participam, tais como a estrutura trófica de comunidades, as condições físicas do ambiente, a competição e predação, bem como o papel desempenhado por elas nos ecossistemas. Esse tipo de estudo compreende a identificação dos itens alimentares, sua ocorrência, frequência e volume. Este estudo teve como objetivo analisar a dieta de aves em três parcelas de vegetação mista de domínio do Cerrado no Parque Estadual da Serra Azul (15°52’S e 51°16’W), município de Barra do Garças/MT. Os dados foram coletados no período de agosto de 2011 a junho de 2012, por meio das fezes coletadas de espécies capturadas em redes ornitológicas. Cada espécie de ave capturada foi alocada temporariamente em um saco confeccionado com tecido de algodão e forrado com papel toalha. Após a coleta do material, seu conteúdo foi examinado em placa de Petri com utilização de um microscópio estereoscópio. O material encontrado em bom estado nas fezes das aves foi conservado em álcool 70% e mantido no Laboratório de Ornitologia do CUA/UFMT. As amostras que não foram encontrados resíduos alimentares foram descartadas. Ao total foram capturados 137 indivíduos distribuídos em 38 espécies de aves. Destes, foram analisadas amostras fecais de 71 indivíduos que representam 32 espécies, o que significou 51,82% do total de indivíduos capturados e 84,21% das espécies, destacando-se Turdus leucomelas (n=11), seguido de Basileuterus hypoleucus (n=6), Columbina talpacoti, Pitangus suphuratus, Arremon taciturnus e Basileuterus flaveolus, todos com o mesmo número de amostras fecais (n=4). Inseto foi o item alimentar mais consumido, aparecendo em 54 amostras fecais (76,05%), representando 27 espécies (84,37%). Como item único, inseto foi consumido por 42 indivíduos (52, 15%) que pertencem a 22 espécies (68,75%), dentre as quais destacaram-se B. hypoleucus (n=6), T. leucomelas (n=5), A. taciturnus e B. flaveolus, ambos com quatro amostras. Frutos, sementes e insetos estiveram conjuntamente nas amostras fecais de 12 indivíduos (16,90%) representantes de nove espécies (28,30%), sendo mais frequentes em Ramphocelus carbo (n=3). Apenas frutos ou sementes foram encontrados em amostras de 14 indivíduos (19, 71%) de 7 espécies (21,87%), sendo que P. suphuratus e T. leucomelas foram as espécies que mais consumiram esses itens. Desta forma, pode-se concluir que grande parte da avifauna dessas três áreas amostradas é composta por espécies insetívoras, isto sugere que as áreas do PESA, em especial as áreas amostrais, possuem suporte alimentar para sua avifauna, mesmo que estas se desloquem por entre os diferentes ambientes.

Palavras-chave: Dieta; Cerrado; Aves.

Título: DIETA DE AVES SILVESTRES DE SUB-BOSQUE EM UMA ÁREA DE ECÓTONO CERRADO- AMAZÔNIA EM RIBEIRÃO CASCALHEIRA,MT

Orientador: FRANCIELLY BORGES DE FARIA



Autor(es):

FRANCIELLY BORGES DE FARIA


Resumo: Estudos sobre dieta podem determinar o papel ecológico que as aves exercem em um ecossistema onde habitam e também fornecem informações sobre a estrutura trófica da comunidade e de condições físicas do ambiente em que estão inseridas. E com o resultado obtido através da quantidade de itens alimentares consumido pelas aves, é possível identificar o nível trófico em que estão inseridas e a estação em que ocorre maior abundância de alimentos. O objetivo deste trabalho foi analisar a dieta de aves de sub-bosque em uma área de ecótono Cerrado-Amazônia. Este trabalho foi realizado na fazenda Destino em Ribeirão Cascalheira, região nordeste de Mato Grosso, no período de outubro de 2011 a março de 2012. A dieta das aves foi analisada por meio das fezes coletadas de espécies capturadas em redes ornitológicas. Cada espécie de ave foi alocada temporariamente em um saco confeccionado com tecido de algodão e forrado com papel toalha para coleta das fezes. O conteúdo fecal presente no papel toalha foi acondicionado em tubo criogênico com tampa, contendo álcool 70% e a identificação com o número da anilha, para posterior triagem no Laboratório de Ornitologia do CUA/UFMT. Foram capturadas 39 espécies e 96 indivíduos, dos quais foram analisadas 60 amostras de fezes de 30 espécies (76,92%) e 59 indivíduos (61,45%). O item alimentar mais consumido foi insetos, consumidos por 32 indivíduos (54,23%) de 17 espécies de aves (56,66%), destacando-se a espécie Machaeropterus pyrocephalus (n=4). Na dieta das aves que consumiram insetos da ordem Hymenoptera, a família Formicidae foi a que teve maior consumo (23,33%), seguida por Ichneumonidea com 5% e Apoidea com 1,66%; esta última esteve presente na dieta apenas de Ramphocelus carbo. A ordem Coleoptera foi a segunda mais consumida (13,33%), seguida por Isoptera e Orthoptera (3,33% cada), dentre os insetos. Já Arremon taciturnus e Machaeropterus pyrocephalus consumiram, respectivamente, insetos das ordens Odonata e Siphonaptera (1,66%) e apenas Troglotydes musculus se alimentou de larvas de insetos (1,66%). Dentre os insetos encontrados nas fezes das aves, 28,33% não foram identificados e três das amostras fecais analisadas (5%) não continham nenhum item alimentar. Das amostras analisadas, 16,66% apresentaram apenas frutos (polpa) ou sementes, sendo consumidos por: Machaeropterus pyrocephalus (n=4), Ramphocelus carbo, Galbula cyanicollis, Ramphastos vitelinus, Coccycua minuta, Myrmoborus leucophrys e Momotus momota. Quinze indivíduos (25%) alimentaram-se de insetos e frutos, sendo Arremon taciturnus (n=2), Formicivora grisea, Formicivora melanogaster, Ramphocelus carbo, Piaya cayana, Machaeropterus pyrocephalus (n=3), Myrmotherula axillares, Myrmoborus leucophrys, Pypra rubrocapilla (n=2), Volatinia jacarina e Coccycua minuta. Conclui-se que as aves dessa área de transição são, em sua maioria insetívoras, o que é decorrente da abundância de insetos no ecótono. Entretanto, muitas aves acabam se alimentando também de frutos, usufruindo dos recursos alimentares disponíveis ao longo do ano.

Palavras-chave: Dieta, aves silvestres e ecótono.

Título: DIETA DE CRENICICHLA LEPIDOTA HECKEL, 1840 NA BACIA DO ALTO RIO PARAGUAI

Orientador: LÚCIA APARECIDA DE FÁTIMA MATEUS

Autor(es):

1   ...   89   90   91   92   93   94   95   96   ...   201


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©azkurs.org 2016
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə